Primeiro ‘rooftop bar’ de Curitiba abre as portas sem cobrar entrada dos clientes

0
O Gards fica no shopping Pátio Batel e funciona todos os dias com drinks, vinhos, chopes e comidinhas. (foto: Guto Tarasiuk/divulgação)

O Gards fica no shopping Pátio Batel e funciona todos os dias com drinks, vinhos, chopes e comidinhas. (foto: Guto Tarasiuk/divulgação)

Após quase nove meses de planejamento, o primeiro bar de cobertura de Curitiba (ou ‘rooftop bar’, com vem sendo chamado) abriu as portas no último fim de semana no quarto andar do shopping Pátio Batel. O Gards está instalado em uma das varandas do centro de compras, e foi ideia de seis sócios que se juntaram para trazer à capital um conceito de entretenimento que já está mais do que difundido em outras cidades brasileiras. Um dos primeiros bares de cobertura do Brasil, o Skye, abriu em meados de 2002 no hotel Unique, em São Paulo.

Já em Curitiba, a empreitada é tocada pessoalmente pelos sócios Gustavo de Paiva e Pedro Smolka, designer digital e engenheiro civil, respectivamente, que queriam “trazer para cá aquilo que a gente já conhece de diferente e que poderia ter público aqui”, explica Pedro Smolka. A gastronomia não é nova para ele, que cresceu vendo a mãe, a chef Martha Smolka, comandando o fogão: “sempre convivi com isso, então não foi muita novidade”, completa.

O Gards é, principalmente, um bar de drinks com chopes especiais e um canto com vinhos do velho mundo. Todo o cardápio de bebidas foi criado pelo bartender Gustavo Smolinski, uma ‘cria’ de Igor Bispo, do Tiger Cocktails. São 27 opções entre clássicos da coquetelaria, autorais, especiais com gim e elaborados com convidados com o próprio professor, e os ‘brothers’ Angelo Camargo e Rafael Oliveira. Entre estes criados em parceria está o Riviera Soul (R$ 28), com receita de Igor Bispo que leva gim, vinho de colheita tardia, suco de maçã verde e angostura, uma espécie de essência muito usada na criação de coquetéis.

O foco do Gards é o cardápio de drinks, com opções clássicas e autorais. (foto: Guilherme Grandi)

O foco do Gards é o cardápio de drinks, com opções clássicas e autorais. (foto: Guilherme Grandi)

Já entre os clássicos, estão o Bloddy Mary (R$ 29), o Moscow Mule (R$ 22) e o Aperol Spritz (R$ 25). Por outro lado, são os drinks com gim que ganham mais destaque no cardápio. O bartender Gustavo Smolinski serve cinco variações da famosa Gim Tônica, todas custando R$ 30 cada. O Watch The Sunset tem a cara do Gards, é um convite para ver o pôr do sol em um preparo de gim, água tônica, sálvia, toranja e zimbro. Para aqueles que querem se aventurar pela coquetelaria, o drink Be The Bartender convida o cliente a misturar a gim tônica com mais três guarnições entre as 14 disponíveis, como hortelã, cascas de laranja ou limão siciliano, coentro, pimenta do reino, entre outras.

Há também os coquetéis criados especialmente para o Gards, com misturas curiosas como a de espumante com licor de jabuticaba e alecrim no Cauliflora (R$ 20); o Leia o Livro (R$ 25), com cachaça ouro, bitter de laranja, açúcar e refrigerante de guaraná; e o da casa (R$ 33), com gim, água de coco, licor floral e limão siciliano. Quem prefere ir na direção de um melhor custo e benefício, as quatro opções de jarras podem servir até oito pessoas em uma rodada, com preços entre R$ 60 (Spritz, Sangria e Piscine, com espumante, morangos e hortelã) e R$ 80 (Cauliflora).

O Gards também pensou no ‘amigo da vez’, oferecendo diferentes opções de coquetéis sem álcool, batizados de Drink and Drive. O Virgin Ad Lib (R$ 15), leva coentro, limão, açúcar e água; o Virgin Mary (R$ 15) é uma versão do Blodd Mary sem vodca; e o Virgin G&T (R$ 25) tem uma infusão de ervas com tônica, zimbro, pimenta rosa e toranja.

O 'wine bar' é um balcão a parte, em um dos cantos da varanda do shopping. (foto: Guto Tarasiuk/divulgação)

O ‘wine bar’ é um balcão a parte, em um dos cantos da varanda do shopping. (foto: Guto Tarasiuk/divulgação)

Entre as outras bebidas alcoólicas, os chopes são fornecidos pela Bastards Brewery em seis torneiras rotativas, com opções a partir de R$ 12. Já os vinhos somam de 13 a 15 rótulos entre tintos, brancos, rosés e espumantes importados da Itália, Espanha e Portugal. Pedro Smolka diz que “a ideia foi sair do mainstream de vinhos do Chile, da Argentina e da França, quisemos pegar opções diferentes de outros bares”. São vendidos em taças ou garrafas, como a espumante bem conhecida dos curitibanos Filipa Pato 3B extra brut (R$ 18 / R$ 110), o rosé italiano La Casina (R$ 16 / R$ 96), o tinto espanhol Azabache Garnacha (R$ 25 / R$ 150), e o branco também espanhol Frontera (R$ 18 / R$ 90).

Já entre as comidinhas, o Gards terá um cardápio especial de finger foods, para comer com as mãos, preparado por um restaurante de comida japonesa do shopping e pela bombonière gourmet do cinema. O menu completo deve ser divulgado nos próximos dias.

O espaço onde foi instalado o Gards é uma grande varanda com dois acesso para quem está dentro do shopping, mas, a princípio, não será cobrada entrada em nenhum dia. “Tudo vai depender da lotação, da quantidade de gente que vier. Se começar a ficar muito apertado, a gente pode ter que cobrar entrada, mas não está nos planos fazer isso”, explica Pedro Smolka. A capacidade é de 300 pessoas, e haverá a apresentação de dj’s tocando música lounge em alguns dias da semana.Também não há comanda, todas as bebidas são pagas na hora do pedido. O Gards abre todos os dias a partir das 16h de segunda a sexta, e das 12h no sábado e domingo.

Serviço:
Gards Rooftop Bar
Avenida do Batel, 1868 – shopping Pátio Batel, piso L4
Horários de atendimento: segunda a sexta, das 16h à 1h. Sábado e domingo, das 12h à 1h (pode variar no domingo).
Possui estacionamento do shopping.

Comentários do Facebook
Compartilhe

Autor

é jornalista especializado em gastronomia e cultura, publisher do site MinhaGula.com.br e colunista das revistas Dimensão e Aeroporto.

Comentários